quinta-feira, 16 de março de 2006

Preconceitos, Trapaças e... 2 Países Diferentes?

“O gaúcho é o povo mais politizado do país”;
“O carioca só quer dar um jeitinho em tudo. Carioca é malandro”;
“Nordestinos são um bando de preguiçosos, não querem saber de trabalho”.

Os estereótipos vão atrofiar seu cérebro!

Coincidência bem-vinda, escrevo estas linhas numa folha de papel sobre uma mesa de um restaurante de Canguçu, que tem sob sua toalha transparente um mapa da Região Sul do País.

“A ‘República do Pampa’ tem uma gente muito mais civilizada, mais educada!”.

Mais civilizada? Sei... Sou gaúcho e moro no estado desde que nasci, na arrozeira terra do Arroio Grande, e neste estado cresci junto com malandros ‘cariocas’, politizados ‘gaúchos’ e vagabundos ‘nordestinos’, todos nascidos por aqui também. E daqui, aprendi a admirar grandes caráteres gaúchos, mineiros, cariocas, paulistas, nordestinos, etc. Já vi muito gaúcho engolindo o troco, sabendo que vai prejudicar o caixa, enganando pessoas menos instruídas, furando fila... Somos melhores que o resto? No quê?

Daqui e aqui, nesta terra, vi o Antônio Carlos, um paulista, ser racista dentro do gramado.

“Frescura esse negócio de racismo, coisa que acontece dentro das 4 linhas”

Onde ficam as tais 4 linhas? Noutro planeta? Eu penso que o gramado faz parte da sociedade e, por conseguinte, deve ser uma extensão dela. O que se nos apresenta hoje é a idéia de que os 90 minutos de uma partida de futebol são um espaço de tempo em que todo tipo de imoralidade e desrespeito ao próximo pode ser praticado. O público que ali está deve assistir a um jogador de seu time trapaceando, batendo, ofendendo e tudo o mais e ainda aplaudir. Ao ponto de se dizer que o gol de mão do Maradona foi com a mão de Deus, de um jornalista ser acusado de dedo-duro porque disse que o gol do Edmundo foi com a mão. O técnico Mano Menezes, ao final da partida em que não soube fazer seu time trocar 2 passes certos em um campo pequeno, e após ter visto o gol do 15 na TV e conferido que o lance foi totalmente legal, ainda reclama que foi roubado!
O cidadão que leva seu filho ao estádio todo final de semana, e lá dentro comemora toda e qualquer “malandragem” feita no campo é o mesmo que, no dia seguinte, ao ler o jornal se estarrece com denúncias de corrupção em Brasília.

Li que o tricolor Jeovânio afirmou que no nordeste eles não são racistas. Mas se os próprios negros o são, com outras raças e às vezes até com sua própria, porque os nordestinos não o seriam? Quando ele declarou isto, falava apenas do racismo dos brancos (brancos?) para com os negros. Mas e as outras formas? O racismo de dentro para fora e o de dentro para dentro mesmo, de cada raça? As cotas nas universidades são uma forma de discriminação, e os estudantes nelas incluídos estão aceitando que se diga que são diferentes, que não tem capacidade intelectual para chegar ao Ensino Superior.

Temos que criar uma cultura de respeito ao próximo, de aceitação das diferenças, livrarmo-nos totalmente de todo e qualquer preconceito: racial, de classe, de nacionalidade, social, cultural, musical, o escambal! E ter RESPEITO. E respeito é, no mínimo, ser honesto. Senão consigo mesmo, ao menos com os outros.
Ver o mundo com os olhos curiosos de quem o vê pela primeira vez, sem estas merdas todas que enfiaram nas nossas mentes.
Trilha do post: O Homem Amarelo - O Rappa - Acústico MTV
"cor da pele: foda-se!"

5 comentários:

tua disse...

iaiiiih neguinhooo
massa o post!
bah axo q a tua camiseta tava manchada hj..skci d ti fala!
uhaeuihiuahieh
bah essa foi foda
q quadrooo
mais agora vo começa a faze um testes antes d sair d casa
aiuehauiheaiuh
te adoro meu negao
bjaooo da tua GRANDI AUHEIUAHIEUHAUIH
qual vai c a pidida p findi?

Christie Lucin disse...

Manitri...
Praticamente um escritor profissional... hehehe...

Coberto e razao com teus argumentos meu velho...

Li ha algum tempo atras uma critica sobre nosso pais. Dizia que sempre esperamos que as coisas mudem qndo votamos no presidente... Mas o grande lance é que pode mudar mas mil presidentes, porem se não resolvermos nosso problema de matéria-prima tudo vai ser igual. E quem é a matéria-prima do Brasil?
Somos nós meu velho!
Enquanto nos mesmos estivermos com as corrupções do dia a dia a coisa não vai ter jeito...

Abras meu Guri...

Sandro disse...

NEGÃO "JABOR", este foi o teu melhor texto, gostei pra cacete... Acho que esta fase que estás vivendo está te inspirando.

Agora quanto ao que escreveste realmente temos que fazer um esforço para não discriminar, pois a sociedade, apesar de não admitir é RACISTA.

Não somente com os negros, mas com as minorias...

Temos que mudar muita coisa para tornarmos o nosso estado um lugar melhor.

Lembro da história que conta do jovem que queria mudar o mundo... Viu o Globo e se deu conta de que o mundo é grande demais... Resolveu olhar para o seu país, o que obviamente era gradne demais para ele mudar. Resolveu então mudar o seu estado. Mas era muita gente e ele não ia conseguir influenciar.

Bueno, o jovem decidiu mudar a sua cidade... Mas quanta gente... Sua rua, não teve sucesso, nem sequer conseguiu falar com as pessoas todas. Então foi para a sua casa, decidiu mudar o seu lar, mas viu que cada um tem vonade própria e que não conseguiria mudá-los.

ENTÃO O JOVEM DE DEU CONTA DE QUE A ÚNICA PESSOA QUE ELE PODE MUDAR É ELE MESMO. E ELE MUDANDO OS OUTROS A SUA VOLTA NOTAM A MUDANÇA E PODEM MUDAR TAMBÉM, SE ESPALHANDO ESTA MUDANÇA QUEM SABE PARA O MUNDO INTEIRO...

Seja diferente, faça diferente, siga o que o coração manda!

Forte Abraço

Sandro Elias

Cony disse...

Que nós Gaúchos somos mais politizados... isso é verdade!!!
heheh
E Chora Macaco Imundo!! tu nunca ganho de ninguem!

Anônimo disse...

ta mt fixe o texto e pena xer mt gnd k nem o ksgui ler td.....